Conferencia CBNN – Aparecida 2016 – Pastoral da Aids testemunha presença da Igreja no enfrentamento da epidemia

Conferencia CBNN – Aparecida 2016 – Pastoral da Aids testemunha presença da Igreja no enfrentamento da epidemia

Durante 54ª Assembleia Geral da CNBB, coordenação da Pastoral apresentou trabalhos e projetosO bispo da diocese de Goiás (GO), dom Eugênio Rixen, apresentou o trabalho da Pastoral da Aids, da qual é referencial, aos participantes da 54ª Assembleia Geral da Conferência Nacional da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que aconteceu entre os dias 06 e 15 de abril, em Aparecida (SP). O assessor nacional, frei Luiz Carlos Lunardi, e o secretário executivo da Pastoral, frei José Bernardi, explicaram como se dá a “presença da Igreja no enfrentamento da epidemia”, por meio da atuação da Pastoral.Na ocasião, foi lembrada a menção à Pastoral da Aids no Documento de Aparecida, publicado pelo Conselho Episcopal Latino-Americano, após o encontro de 2007. A indicação de fomento do serviço pastoral às pessoas com HIV/Aids “confirmou o trabalho que a Pastoral vinha desenvolvendo desde 2002”.

Durante a exposição, houve a recordação do trabalho. A “caminhada pastoral” remete ao início da epidemia da doença na década de 1980, época em que a Igreja já estava presente na vida das pessoas que foram infectadas.

Falaram da articulação com a CNBB e as Pastorais Sociais, com o estabelecimento de uma “comissão técnico científica” dentro da Pastoral da Saúde que tratou do tema. Neste período, houve a indicação de dom Eugênio Rixen para o acompanhamento da Pastoral, que foi criada em fevereiro de 2002.

A espiritualidade do serviço da Pastoral da Aids, de acordo com a coordenação nacional, está baseada nas passagens da parábola do bom samaritano e da cura do cego Bartimeu. “A Pastoral da Aids procura combater as forças que sufocam, escondem, deixam na clandestinidade as pessoas que vivem com HIV ou Aids. Ao mesmo tempo, os agentes são convidados a incentivar a organização e apoiar os movimentos que gritam para defender e promover os seus direitos”, contou frei Bernardi.

Campos de atuação

A Pastoral da Aids atua organizada em quatro linhas de ação: formação de agentes, prevenção, acompanhamento às pessoas vivendo e convivendo com HIV e incidência política. “São elas que dão o rosto e a contribuição da Pastoral para o enfrentamento da epidemia no Brasil”, explicou frei Bernardi.

Trabalho em parceria

“Para um problema complexo, dificilmente somente uma instituição é capaz de oferecer todas as respostas”, afirmam os coordenadores. Esta realidade exige um trabalho em rede, “mesmo quando não há concordância total com os demais sujeitos sociais que participam do enfrentamento da epidemia”. A Pastoral realiza parcerias com o Ministério da Saúde, especialmente com o Departameto de DST, Aids e Hepatites Virais; outras organizações governamentais e internacionais; outras Pastorais e organizações não governamentais, como Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV e a Rede de Jovens Vivendo e Convivendo com HIV; e recebe a colaboração de agências católicas internacionais nas atividades.

Gratidão

“Compreendemos que muitas pessoas sejam reticentes a este trabalho e muitas vezes experimentamos fracassos e desilusões. No entanto, temos convicção de que muita gente redescobre o sentido da vida por causa do contato com a Pastoral e seus agentes”, partilharam os membros da coordenação.

Agradecendo pela possibilidade de “manifestar o rosto misericordioso de Deus e sinalizar o amor incondicional do Pai que nos ama apesar de tudo”, a Pastoral ressalta o acolhimento em pelo menos 170 dioceses do Brasil, com coordenações em 14 regionais da CNBB.

“Agradecemos calorosamente cada bispo, cada padre, cada religioso e religiosa, cada leigo e leiga que aceitou o desafio de enfrentar esse tema e que abriu espaço para que a Igreja se fizesse presente nestes ambientes”, manifestaram.

Diagnóstico precoce

Outro tema abordado nesta comunicação da 54ª Assembleia Geral da CNBB foi a Campanha de Diagnóstico Precoce do vírus HIV, promovida em 2014, numa parceria da Pastoral com a CNBB e o Ministério da Saúde. O tema de trabalho escolhido foi “Cuide bem de você e de todos os que você ama. Faça o teste HIV”. O objetivo, estendido aos bispos durante esta assembleia, é incentivar o diagnóstico precoce do HIV para, assim, contribuir com a otimização do tratamento e evitar novas infecções.

 

Autor:

O Grupo Assistencial SOS VIDA nasceu legalmente em 28 de março de 1998 com o proposito de oferecer apoio e assistência a portadores do vírus HIV/AIDS. Após um ano, Padre Quinha pediu ao fundador que começasse a trabalhar também com Dependência Química. Passados dezesseis anos os atendimentos vão além destas duas patologias, a busca por diversos motivos fez com que a instituição abrisse o leque de atuação – Ir de Encontro com a Necessidade de Quem Nos Procura – que, em sua grande maioria, são pessoas de baixa renda. Os assistidos contam ainda, além dos atendimentos na sede da instituição, com o amparo de profissionais de saúde que atendem gratuitamente em seus consultórios e clínicas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s