ONU pede medidas urgentes para evitar aumento da incidência da aids

ONU pede medidas urgentes para evitar aumento da incidência da aids

hiv ]unaids

Um relatório da Agência das Nações Unidas contra a Aids (Unaids) divulgado nesta quarta-feira insta os governos a fazerem um esforço urgente contra a aids, especialmente nos países mais castigados pela doença, para evitar que volte a ganhar terreno nos próximos anos.

O estudo, elaborado conjuntamente pela Unaids e a revista médica “The Lancet”, sugere que os países mais afetados se concentrem em frear o contágio da doença e facilitar o acesso aos novos tratamentos antirretrovirais.
A agência da ONU ressaltou a importância de cumprir estas medidas para não haver um novo surto da epidemia.

“Devemos enfrentar a dura realidade: Se a porcentagem de novas infecções continuar, as medidas atuais contra o vírus não serão suficientes para deter as mortes por HIV”, advertiu Peter Piot, diretor da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres e principal autor do estudo.

O relatório mostra que, apesar do esforço sem precedentes para aumentar o acesso ao tratamento em nível mundial, o índice de contágios não está diminuindo como deveria.

“Devemos atuar com urgência. Os próximos cinco anos são uma frágil janela de oportunidade para acelerar nossa resposta e acabar com a epidemia até 2030”, afirmou Michel Sibidé, diretor-executivo da Unaids.

Sibidé acrescentou que, se não forem tomadas medidas, “as consequências humanas e financeiras serão catastróficas”.

O relatório destacou também a importância do investimento público contra o vírus da imunodeficiência humana (HIV) nas regiões mais castigadas pela doença, como a África.

Nestas regiões o investimento necessário para controlar a doença seria de um terço da despesa total em saúde e de 2% do Produto Interno Bruto (PIB) dos países afetados.

Portanto, o apoio internacional a estes países em sua luta contra a aids será muito necessário nos próximos anos, salientou o relatório.

“Isto representa não só a necessidade de aumentar os recursos, mas também um uso estratégico e eficiente dos mesmos”, destacou o organismo internacional.

Por outro lado, o estudo se mostra crítico com os países que relaxaram na luta contra a aids.

“Algumas nações, com a epidemia controlada ou o número de contágios em descenso, mostram tendências crescentes de práticas sexuais de risco”, alertou o relatório.

saude.terra.com.br

Autor:

O Grupo Assistencial SOS VIDA nasceu legalmente em 28 de março de 1998 com o proposito de oferecer apoio e assistência a portadores do vírus HIV/AIDS. Após um ano, Padre Quinha pediu ao fundador que começasse a trabalhar também com Dependência Química. Passados dezesseis anos os atendimentos vão além destas duas patologias, a busca por diversos motivos fez com que a instituição abrisse o leque de atuação – Ir de Encontro com a Necessidade de Quem Nos Procura – que, em sua grande maioria, são pessoas de baixa renda. Os assistidos contam ainda, além dos atendimentos na sede da instituição, com o amparo de profissionais de saúde que atendem gratuitamente em seus consultórios e clínicas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s