É Natal na Pastoral da Aids. Frei Luiz Carlos Lunardi é assessor nacional da Pastoral da Aids

 

 

Frei lunardi

 

 

 

 

 

 

 

 

É Natal na Pastoral da Aids. Frei Luiz Carlos Lunardi é assessor nacional da Pastoral da Aids

Por Frei Luiz Carlos Lunardi 

O natal é uma festa que contagia as pessoas. Mesmo quem não tem vinculação religiosa com o cristianismo se deixa envolver pelo clima de luz e confraternização que nesta época do ano difunde pela sociedade, famílias e grupos. Na cultura cristã, o natal é marcado pela esperança. Este sentimento vem desde a formação do povo de Deus quando viviam escravizados, mas buscavam forças para viver na promessa dos profetas que anunciavam um tempo em que o messias, o libertador, viria e traria um reino de liberdade e vida plena. Para os cristãos, Jesus Cristo é a realização desta profecia. E o natal é a ocasião de celebrarmos este grande presente que Deus nos deu: Ele veio morar no meio de nós.

Inspirada no exemplo de Jesus, a Igreja organizou a Pastoral da Aids para servir quem se encontra infectado com o HIV e quem pode vir a ser infectado. Em Aparecida, os bispos da América Latina afirmaram: “Consideramos de grande prioridade fomentar uma pastoral com pessoas que vivem com o HIV e aids, em seu amplo contexto e em seus significados pastorais: que promova o acompanhamento compreensivo, misericordioso e a defesa dos direitos das pessoas infectadas; que implemente a informação, promova a educação e a prevenção, com critérios éticos, principalmente entre as novas gerações para que desperte a consciência de todos para conter a pandemia. A partir desta V Conferência pedimos aos governos o acesso gratuito e universal aos medicamentos para a aids e a doses oportunas” (Documento de Aparecida, 421).

Este trabalho de prevenção e cuidado junto às pessoas que vivem e convivem com HIV e aids é feito hoje em todo Brasil por milhares de agentes de pastoral a partir do voluntariado. É um trabalho de acolhida, acompanhamento e solidariedade com as pessoas que necessitam. É o exercício do mandato de Jesus que pede que sejamos cuidadores e defensores da vida onde ela esteja ameaçada. São inúmeros os trabalhos e projetos desenvolvidos pela Pastoral, desde Casas de apoio, Centros de convivência, ações de prevenção em áreas vulneráveis e ações de cunho comunitário.

Muitos nos perguntam e frequentemente estamos explicando por que trabalhamos com “estas pessoas”, por que o trabalho com aids? Muitos até sugerem que não vale à pena ou que a morte “para estes” é eminente. Sim a morte é eminente, a dor é evidente e o sofrimento também é presente, mas para quem não é? Isto tudo faz parte da natureza humana, não temos o direito de julgar e nem definir o destino de ninguém. Somos chamados a estender a mão e, solidariamente, viver e conviver dando o suporte necessário a cada um que necessitar.

Nestes últimos dias, marcados por celebrações e forte energia de fim de ano, férias e natal, observei as pessoas que frequentam a Casa Fonte Colombo em Porto Alegre. A constatação que se faz é surpreendente: realmente é possível viver com aids e também é real que quem mata não é o HIV, mas sim o estigma e o preconceito. Nota-se a vida fervilhando no burburinho das pessoas conversando alegremente no pátio. Pessoas de todos os perfis. É prova evidente da vida que continua florescer no extremo cuidado das mães gestantes, no sonho e na esperança de cada um que continua acreditando na vida e toma o medicamento, faz seus exames e adere ao tratamento, naqueles que se protegem e protegem quem amam. No rosto lindo, bem cuidado e alegre das crianças que brincam sem parar, provando que a energia da vida não lhes falta.

Se Natal é tempo de luz e de esperança, é na vida “teimosa” das pessoas que vivem e convivem com HIV que o natal mostra seu real significado. A vida é realmente um Dom de Deus.

Frei Luiz Carlos Lunardi é assessor nacional da Pastoral da Aids

Autor:

O Grupo Assistencial SOS VIDA nasceu legalmente em 28 de março de 1998 com o proposito de oferecer apoio e assistência a portadores do vírus HIV/AIDS. Após um ano, Padre Quinha pediu ao fundador que começasse a trabalhar também com Dependência Química. Passados dezesseis anos os atendimentos vão além destas duas patologias, a busca por diversos motivos fez com que a instituição abrisse o leque de atuação – Ir de Encontro com a Necessidade de Quem Nos Procura – que, em sua grande maioria, são pessoas de baixa renda. Os assistidos contam ainda, além dos atendimentos na sede da instituição, com o amparo de profissionais de saúde que atendem gratuitamente em seus consultórios e clínicas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s