E AGORA JOSÉ…

http://tribunadepetropolis.imprensa.ws/2012/index.php?option=com_content&view=article&id=42063&catid=59

Fora das urnas, nomes fortes de partidos contabilizam ganhos e perdas

SEGUNDA, 29 OUTUBRO 2012 07:34
Campos veio à Petrópolis apoiar Bomtempo / Foto: Divulgação

Lideranças políticas com influência direta nas campanhas, mesmo sem ter os nomes na urnas das disputas municipais deste ano, contabilizam ganhos e perdas com o pleito e a nova configuração política regional no país a partir de janeiro.

O governador de Pernambuco, Eduardo Campo (PSB), contudo, é quem sai mais fortalecido com os resultados das eleições.

Campos nacionalizou seu nome e seu partido, ampliou para o número de capitais comandadas Pela legenda para cinco –superando o PT e PSDB– e espalhou sua influência para além do Nordeste, afirmaram especialistas ouvidos pela Reuters.

Para o cientista político da Unicamp Roberto Romano, o PSB foi quem mais teve ganhos neste pleito, por conseguir dobrar sua representatividade em termos de prefeitos e vereadores.”Há uma liderança nacional (Eduardo Campos) que cresce e preocupa tucanos e petistas. Ele tem condições de fazer alianças que preocupam eles (PT e PSDB)”, disse Romano.

Em 2008, o PSB conquistou 310 prefeituras. Agora, chegou a 450, considerando os resultados deste domingo. E governará cinco capitais, entre elas Recife, Fortaleza e Belo Horizonte. E em todas essas disputas teve o PT como adversário.

O ex-presidente Lula, que apostou na renovação e fez o PT reconquistar o comando da capital paulista com um nome neófito nas urnas, o ex-ministro da Educação Fernando Haddad, também colheu dividendos políticos no pleito deste ano.

“Mesmo com erro em Recife, quem saiu consagrado é o Lula”, disse o cientista político e diretor do Instituto de Pesquisas e Projetos Sociais (Inpro), Benedito Tadeu Cesar, argumentando que o ex-presidente bancou a percepção de que o eleitorado queria mudança em São Paulo.

Em Recife, Lula pediu e a cúpula nacional do partido interveio no diretório local e impôs a candidatura do senador Humberto Costa, que acabou em terceiro lugar.

Para Romano, o êxito da estratégia de Lula em São Paulo não revela uma fórmula infalível. “Em São Paulo, pelas condições especialíssimas é que deu certo”, analisou.

Já a presidente Dilma Rousseff, que pessoalmente teve modesta participação nas campanhas municipais, viu quatro dos cinco palanques em que subiu (Salvador, Campinas, Manuas, Belo Horizonte e São Paulo) serem derrotados.

Porém, para os analistas, a participação cirúrgica pode ter ajudado a presidente a irritar pouco sua grande base aliada, que se fragmentou nas disputas pelo país, principalmente o PSB e o PMDB.

“Ela conseguiu em parte não se transformar em ‘cheerleader’ (animadora de torcida) do PT, esteve em Salvador e Campinas e perdeu, mas não comprometeu sua pessoa com essas vitórias ou derrotas”, analisou Romano.

Já o atual prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), apesar de ter apoiado José Serra, derrotado na capital paulista, sai desta eleição com um trunfo importante: conseguiu consolidar seu novo partido, o PSD, em apenas um ano.

Além de conquistar 495 prefeituras –entre elas uma capital–, o partido já tem como certa a promessa de um ministério na Esplanada.

Renovação

O PSDB perdeu a prefeitura de São Paulo –a maior cidade e colégio eleitoral do País–, mas manteve número semelhante de prefeituras e capitais em relação à eleição anterior. O partido, que sempre teve tradição no Sudeste, cresceu no Norte e Nordeste do país. A maior derrota pessoal, segundo os especialistas ouvidos, foi do tucano José Serra, que perdeu a prefeitura paulistana para Fernando Haddad.

Foi a sua segunda derrota em dois anos –perdeu a corrida à Presidência da República em 2010 para Dilma. Serra, que já abandonou dois cargos — de governador e prefeito — para tentar outras candidaturas, aos 70 anos tem contra si a idade e resistências crescentes em seu partido.

Neste domingo, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que é hora de o PSDB buscar o novo.

“O partido com um todo, o que vai precisar mesmo, é exatamente de renovação. Há um momento em que as gerações mudam, nós estamos num momento de mudança de geração. Isso não quer dizer que os antigos líderes desaparecem, mas quer dizer que eles têm que empurrar os novos para ir à frente”, argumentou FHC a jornalistas depois de votar.

Romano, porém, não acredita que o virtual candidato tucano à presidência em 2014, o senador Aécio Neves (MG), tenha condições de ser o condutor da renovação do tucanato.

“A derrota do Serra é a derrota do Aécio”, disse Roberto Romano sobre o senador tucano, que consolidou sua supremacia em Minas Gerais, mas não expandiu seu capital político nacionalmente.

“Ele saiu bem, mas foi muito mineiro. Trabalhou muito em silêncio”, disse David Fleischer, cientista político da UnB.

Já o partido que mais contabilizou insucessos foi o DEM –apesar da importante vitória de ACM Neto em Salvador. “O DEM foi o que mais perdeu. Perdeu mais de metade dos seus deputados para o PSD e perdeu muitos prefeitos… Desde 2004 estão descendo a ladeira”, disse Fleischer.

Apesar disso, Fleischer não acredita que a legenda deixe de existir nos próximos meses. “Acho que tem muitos políticos do DEM com brios e com a fusão perderia liderança no novo partido. É mais provável que o DEM continue”, afirmou o cientista político da UnB.

Sobe e desce das legendas

Entre os partidos, além de PSB, PSD e PT, os especialistas ressaltam o “renascimento” do PDT, sigla de origem da presidente Dilma.

“Além do crescimento com PSB, continuo insistindo no crescimento do PDT, que conquistou duas capitais do Sul (Porto Alegre e Curitiba)… Partido que renasce depois da morte de (Leonel) Brizola”, disse Tadeu César.

O PDT conquistou ainda a prefeitura de Natal.

Fonte: Reuters

MUITO INTERESSANTE ESTAS REFLEXÕES A NÍVEL NACIONAL, O QUE SE APLICA EM PETRÓPOLIS COM TODA CERTEZA, O PT PERDEU MUITO EM NOSSO MUNICÍPIO COM A ESTRATEGIA DE “PERSEGUIÇÕES” AO MOVIMENTO SOCIAL – FALAMOS POR NÓS (NOS RESPONSABILIZAMOS POR ESTA FALA E LAMENTAMOS TER PERCEBIDO ISTO, MAS ESTEJAM CERTOS TODA A CIDADE PERCEBEU ESTA MANOBRA POR PARTE DE MEMBROS DO PT LOCAL – ACESSEM NOSSO BLOG E LA ESTA VÁRIOS DOCUMENTOS COMPROVANDO A NOSSA OBSERVAÇÃO –

https://grupososvida.wordpress.com/2012/10/29/fim-das-perseguicoes-em-petropolis-este-tempo-ficou-para-tras-para-nao-cair-no-esquecimento/?preview=true&preview_id=5738&preview_nonce=339c509e19

ENQUANTO O PREFEITO ELEITO RUBENS BOMTEMPO POR DIVERSAS VEZES ESTEVE CONOSCO DEMONSTRANDO SUA PREOCUPAÇÃO E APOIO – HOJE PODEMOS TORNAR ISTO PUBLICO – ANTONIO CARLOS DE SOUZA PIRES (CAL)

E AGORA JOSÉ –

JOSÉ

E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, você?
você que é sem nome,
que zomba dos outros,
você que faz versos,
que ama protesta,
e agora, José?

Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José?

E agora, José?
Sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,

seu terno de vidro, sua incoerência,
seu ódio – e agora?

Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?

Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse…
Mas você não morre,
você é duro, José!

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope,
você marcha, José!
José, pra onde?

Autor:

O Grupo Assistencial SOS VIDA nasceu legalmente em 28 de março de 1998 com o proposito de oferecer apoio e assistência a portadores do vírus HIV/AIDS. Após um ano, Padre Quinha pediu ao fundador que começasse a trabalhar também com Dependência Química. Passados dezesseis anos os atendimentos vão além destas duas patologias, a busca por diversos motivos fez com que a instituição abrisse o leque de atuação – Ir de Encontro com a Necessidade de Quem Nos Procura – que, em sua grande maioria, são pessoas de baixa renda. Os assistidos contam ainda, além dos atendimentos na sede da instituição, com o amparo de profissionais de saúde que atendem gratuitamente em seus consultórios e clínicas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s