Paciente espera mais de 2 meses por cirurgia – http://www.e-tribuna.com.br/

Paciente espera mais de 2 meses por cirurgia  http://www.e-tribuna.com.br/

Terça, 25 Outubro 2011 11:00

Com fraturas no braço direito e na bacia, o pedreiro Valdecy de Medeiros, de 55 anos, espera há mais de 60 dias por uma cirurgia ortopédica.

Nem mesmo liminares judiciais expedidas por juízes da 4ª Vara Cível, determinando a internação em leito particular, garantiram a realização do procedimento e o paciente permanece internado em um dos leitos do Hospital Alcides Carneiro (HAC).

Parentes, que já estavam bastante preocupados com a demora, ficaram mais apreensivos depois de ser informados verbalmente por funcionários do hospital que o paciente seria levado para o Rio de Janeiro.

“Não entendemos por que eles querem levá-lo para o Rio agora, depois de mais de dois meses internado aqui esperando por uma vaga no Hospital Santa Teresa. Além disso, ninguém nos explicou nada. Não dizem quem vai levar, para onde vai, não sabemos de nada direito. Como vai ser se ele for levado pra lá? Estamos muito preocupados. Eles estão fazendo isso agora porque o juiz determinou que internem meu pai em leito particular. Por que não resolveram isso antes?”, questiona a filha Lucilene de Medeiros.

O pedreiro foi internado após uma queda, no dia 16 de agosto.

“No dia do acidente, ele foi levado para o pronto-socorro (Hospital Municipal Nelson de Sá Earp). No dia seguinte, médicos perceberam que além das fraturas ele tinha também uma perfuração no intestino e levaram meu pai para o Alcides Carneiro. Ele foi operado, mas continuou internado esperando por uma vaga no Santa Teresa, para cirurgia ortopédica”, contou a filha. Sem uma definição, em 21 de setembro – mais de um mês após o acidente – parentes decidiram recorrer à Justiça.

A primeira liminar foi expedida no dia 27 de setembro.

“Tratando-se de mal, a princípio, sem possibilidade de tratamento eficaz além daquele ora exigido, e em razão do risco de ineficácia do provimento final, pela possibilidade de agravamento do dano de forma irreversível, defere-se a antecipação da tutela para que a parte ré providencie, em 10 (dez) dias, a internação da parte autora em nosocômio com capacidade para a realização do ato prescrito, oferecendo-lhe todo o tratamento a ele essencial.

Tudo sob pena de custeio por particular às suas expensas, além de fixação de multa pessoal de 20% sobre o valor atribuído à causa, a incidir sobre o patrimônio pessoal do Sr. Presidente da FMS e do Sr. Prefeito”, consta da decisão assinada pela titular da 4ª Vara Cível, juíza Christianne Ferrari.

Tal decisão, no entanto, não foi respeitada, e no último dia 18 a juíza Márcia Paixão Guimarães Leo intimou a Fundação Municipal de Saúde para que esclarecesse, em 48 horas, a não realização do procedimento determinado, sob pena de custeio por particular.

“Estamos muito preocupados, porque meu pai já está há mais de dois meses esperando, já está abatido, ficando com depressão”, contou Lucilene Medeiros. Questionada, a Secretaria Municipal de Saúde informou que possui um documento onde o Hospital Santa Teresa (HST) esclarece que não poderá realizar o procedimento cirúrgico do paciente Valdecy de Medeiros.

O mesmo será encaminhado paro o HTO – Dona Lindu, em Paraíba do Sul, que atende a casos de alta complexidade.

Devido à sobrecarga dos casos provenientes da BR-040 (acidentes), a unidade hospitalar em questão serve como referência para os atendimentos com mais complicações, já que o mesmo possui equipamentos de ponta e excelência no tratamento dos pacientes, com nível de satisfação muito alto por parte dos familiares, sem nenhum registro de reclamação por conta de transferências.

Autor:

O Grupo Assistencial SOS VIDA nasceu legalmente em 28 de março de 1998 com o proposito de oferecer apoio e assistência a portadores do vírus HIV/AIDS. Após um ano, Padre Quinha pediu ao fundador que começasse a trabalhar também com Dependência Química. Passados dezesseis anos os atendimentos vão além destas duas patologias, a busca por diversos motivos fez com que a instituição abrisse o leque de atuação – Ir de Encontro com a Necessidade de Quem Nos Procura – que, em sua grande maioria, são pessoas de baixa renda. Os assistidos contam ainda, além dos atendimentos na sede da instituição, com o amparo de profissionais de saúde que atendem gratuitamente em seus consultórios e clínicas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s