Universidade promove debate sobre o planejamento da saúde Qui, 12 de Maio de 2011 09:06

Universidade promove debate sobre o planejamento da saúde

Qui, 12 de Maio de 2011 09:06 http://www.e-tribuna.com.br

Imprimir PDF

O vereador Thiago Damaceno mediou o debate que reuniu representantes do governo e do Conselho de Saúde. / Divulgação

A Universidade Estácio de Sá realizou ontem a quarta etapa do Ciclo de Palestras sobre o Plano Diretor, em parceria com a Comissão Especial de Revisão e Estudos da Câmara Municipal. O tema do encontro foi O planejamento da saúde pública em Petrópolis. A palestra foi ministrada pelo professor Renato Farjalla, pela secretária de Saúde do município, Aparecida Barbosa, e pela presidente do Conselho Municipal de Saúde (ConSaúde), Maria Auxiliadora Pires. O encontro foi mediado pelo presidente da comissão, vereador Thiago Damaceno.
O professor Renato Farjalla, que além de atuar na faculdade é doutorando em Políticas Públicas, afirmou que o foco da área da Saúde deve ser a prevenção de doenças e não só o tratamento das enfermidades. “O sistema deve promover a proteção da saúde, centralizar nas pessoas”, declarou. Farjalla citou ainda o investimento em lazer como uma das formas mais eficientes de promover a qualidade de vida. “A promoção ajuda, inclusive, a baixar o custo no setor de atendimento dos hospitais públicos”, comentou, citando o projeto Rua de Lazer como um exemplo.
A secretária Aparecida Barbosa, por sua vez, afirmou que é de fundamental importância o debate. “A sociedade tem que participar desse processo”, afirmou. Barbosa mostrou o orçamento da cidade, que hoje é de R$ 419 para cada pessoa, por ano. “O financiamento da Saúde é para toda a população. Mesmo para quem tem plano, a Prefeitura investe em vacinação, compra de medicamentos, etc.”, disse.
De acordo com a secretária, a Prefeitura fica sobrecarregada com a falta de investimentos de outras esferas de governo. “O governo do estado, por exemplo, só começou a investir agora, com a instalação das unidades de pronto atendimento, mas os governos não têm a obrigação de trazer os recursos, portanto, é muito importante ampliar o debate sobre o financiamento da saúde”, afirmou.
Aparecida Barbosa ainda destacou o grupo de planejamento montado após a Conferência Municipal de Saúde, em 2009, que teve como objetivo fazer a análise situacional e a definição dos principais objetivos da pasta. Os principais pontos negativos apontados foram a baixa cobertura de atenção básica, equipes incompletas e a dificuldade de fixação de profissionais, o abastecimento irregular de insumos e a infraestrutura inadequada.
“Já estamos trabalhando para resolver alguns dos problemas. A reforma do DIP (Departamento de Doenças Infecto-Parasitárias), no Hospital Nelson de Sá Earp, e a construção de uma unidade básica de saúde no Quitandinha, por exemplo, são alguns avanços”, declarou. “As nossas principais metas, baseadas na análise, são ampliar e qualificar a atenção à saúde bucal, e ter mais oito equipes de Saúde da Família (ESF) e quatro Núcleos de Apoio ao Programa Saúde da Família (NASF)”, declarou, citando ainda o prontuário único do paciente, que informatiza o sistema.
O sistema integrado foi ressaltado também pela presidente do Conselho Municipal de Saúde (ComSaúde), Maria Auxiliadora Pires. “O cartão SUS diminui a procura nas urgências e emergências, assim como as UPA’s. O sistema é muito importante para desenvolver a saúde no município. Da mesma forma, é fundamental redobrar os cuidados na atenção básica”, destacou.
De acordo com o vereador Thiago Damaceno, a discussão não foi levada para o lado político. “É um debate técnico, que aponta os caminhos para o diagnóstico das ações realizadas e as soluções para o planejamento da saúde”, afirmou. A quinta palestra do ciclo, que irá tratar da Educação, já está marcada para ocorrer no próximo dia 24, no campus do Bingen.

Autor:

O Grupo Assistencial SOS VIDA nasceu legalmente em 28 de março de 1998 com o proposito de oferecer apoio e assistência a portadores do vírus HIV/AIDS. Após um ano, Padre Quinha pediu ao fundador que começasse a trabalhar também com Dependência Química. Passados dezesseis anos os atendimentos vão além destas duas patologias, a busca por diversos motivos fez com que a instituição abrisse o leque de atuação – Ir de Encontro com a Necessidade de Quem Nos Procura – que, em sua grande maioria, são pessoas de baixa renda. Os assistidos contam ainda, além dos atendimentos na sede da instituição, com o amparo de profissionais de saúde que atendem gratuitamente em seus consultórios e clínicas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s