Helcio Mano – Quando o imoral se sobrepõe ao ilegal

Quando o imoral se sobrepõe ao ilegal

Em Petrópolis, o prefeito Paulo Mustrangi, do PT, conseguiu a proeza de cometer um ato tão imoral que fez passar despercebida a sua ilegalidade. Como todos sabem, no dia 12 de janeiro de 2011, Petrópolis foi vítima das chuvas que atingiram toda a Região Serrana e naquela oportunidade o prefeito decret…ou estado de calamidade pública. A partir daí, o prefeito, de forma imoral e oportunista, aproveitando-se de um momento de dificuldade de toda a cidade resolveu contratar, sem licitação, uma empresa para fazer a manutenção da iluminação pública de Petrópolis, bem como também extensões da rede de iluminação, ao valor de R$ 4.947.790,61. A ratificação do prefeito ao contrato foi publicado no Diário Oficial do Município, de 24/02/11 (link e cópia do despacho abaixo) http://www.petropolis.rj.gov.br/pp/modules/xt_conteudo/content/3686.pdf DESPACHOS DO SR. PREFEITO DE Nº 078/2011 – Expediente do dia 09/02/2011 001290/11 – SOB – ratifico, em cumprimento ao disposto no art. 26 da lei 8666/93 e suas alterações, o Parecer da Assistente Adjunta Jurídica do DELCA para, com base no art. 24, inciso IV do mesmo diploma legal, autorizar a contratação da empresa LHN Serviços e Comércio Ltda. Para prestação de serviço de manutenção, implantação de pontos de iluminação pública, com rede existente e extensões, no valor de R$ 4.947.790,61 à conta do PT 21011545210282105-339039 fonte 037. Em 23 de fevereiro de 2011. ANA MARIA BARBOSA DA S. DE PAULA Chefe do NAA/GAP Na pressa de trazer para Petrópolis a empresa contratada, que tem sede na Baixada Fluminense, o prefeito “esqueceu” de rescindir o contrato existente desde 1994 entre a Prefeitura Municipal de Petrópolis e a Ampla, e que deveria ser denunciado com 180 dias de antecedência. O prefeito também “esqueceu” de ler de forma cuidadosa o Inciso IV do Artigo 24, da Lei 8.666, que diz que esse tipo de contratação só pode ser feita “nos casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência de atendimento, de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas, obras, serviços equipamentos e outros bens, públicos ou particulares, e somente para os bens necessários ao atendimento da situação emergencial ou calamitosa e para as parcelas de obras e serviços, que possam ser concluídas no prazo máximo de 180 dias consecutivos e ininterruptos, contados da ocorrência da emergência ou calamidade, vedada a prorrogação dos respectivos contratos”. Fica evidente que esse tipo de serviço de manutenção trata-se de serviço continuado e que não se encontra vinculado às chuvas que motivaram o decreto que colocou a cidade sob o estado de calamidade pública. Evocar tal artigo é uma piada de mau gosto. Todos na cidade sabem que quem está por trás dessa empresa, como sócio oculto, é o Sr. Marcelo Sereno, do PT, que como Secretário de Planejamento de Maricá conseguiu que a mesma prestasse serviço também para aquela Prefeitura na área de manutenção viária. Assim como Sereno, Mustrangi também é ligado à corrente Articulação, e ambos são amigos pessoais do ex-deputado do mensalão, José Dirceu. Além do escandaloso contrato sem licitação, vale a pena ressaltar que o valor cobrado pela Ampla para execução de tal serviço de manutenção era da ordem de aproximadamente R$ 5,00 por ponto de iluminação – Petrópolis possui aproximadamente 35 mil pontos, o que significa um valor aproximado de R$ 150 mil/mês. Mas no caso do novo contrato entre a Prefeitura e a empresa LHN Serviços e Comércio Ltda, o valor a ser cobrado é de aproximadamente R$ 10,00 por ponto de iluminação. Um escândalo! Isso é a verdadeira indústria da calamidade pública. O que mais deixa a todos indignados é que isso acontece num momento em que a cidade ainda chora os mais de 70 mortos e mais 20 desaparecidos da tragédia. Enquanto as famílias continuam fragilizadas e temerosas pelo seu futuro e a sociedade cobra providências, o prefeito só está preocupado em fazer negócio. É a total certeza da impunidade!!! Devemos fiscalizar e estar ainda mais atentos aos atos praticados por esse prefeito porque se ele usa a tragédia para fazer contratos ilegais e imorais e receber dinheiro ilicitamente, o que não estará fazendo com os recursos doados por terceiros ou os que foram encaminhados pelos governos estadual e federal para as vítimas das chuvas no Vale do Cuiabá. Essa denúncia será encaminhada ao Ministério Público, ao Tribunal de Contas, Câmara de Vereadores, imprensa, Instituto Civis, à Assembleia Legislativa, em especial à CPI que investiga as causas da tragédia.

Autor:

O Grupo Assistencial SOS VIDA nasceu legalmente em 28 de março de 1998 com o proposito de oferecer apoio e assistência a portadores do vírus HIV/AIDS. Após um ano, Padre Quinha pediu ao fundador que começasse a trabalhar também com Dependência Química. Passados dezesseis anos os atendimentos vão além destas duas patologias, a busca por diversos motivos fez com que a instituição abrisse o leque de atuação – Ir de Encontro com a Necessidade de Quem Nos Procura – que, em sua grande maioria, são pessoas de baixa renda. Os assistidos contam ainda, além dos atendimentos na sede da instituição, com o amparo de profissionais de saúde que atendem gratuitamente em seus consultórios e clínicas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s